Soundhearts Festival – São Paulo

Por Bruno Nascimento

Fez muito tempo desde a última apresentação do Radiohead em São Paulo, foi em 2009, no Jockey club. Os fãs tiveram que esperar 9 anos até esse show, que prometia algumas novidades em relação ao passado.

Primeiro os fãs do grupo britânico precisaram assistir outros artistas. Tudo Começou com Aldo, The Band, os brasileiros entraram no palco ainda com a iluminação do sol, e fizeram um show curto, porém puderam apresentar sua mistura de indie e dance para um público vasto.

Em seguida, o guitarrista do Radiohead, Jonny Greenwood trouxe o seu projeto de música indiana, o Junun. Formado pelo israelense Shye Ben Tzur e integrantes do grupo Rajasthan Express, o Junun foi uma grata surpresa ao público, poucos pareciam conhecer a banda, mas teve uma aceitação enorme. Foi um momento legal para os fãs verem um membro do Radiohead antes do show e para Greenwood mostrar toda sua irreverência enquanto guitarrista.

Depois, o Dj californiano Steven Ellison, conhecido como Flying Lotus, mudou o ambiente com sua música eletrônica com beats pesadíssimos de rap. Talvez não tenha conseguido dominar o público, mas foi um show com muita pirotecnia e um potente jogo de luzes e telão, certamente os adeptos ao estilo ficaram contentes.

Os três shows iniciais foram, cada um à sua maneira, interessantes, porém o público do festival era todo da banda britânica, público aliás que não chegou a lotar o Allianz Parque, havia espaço na nas arquibancadas e a pista estava relativamente tranquila.

Quando as luzes se apagaram, Thom Yorke e sua trupe subiram ao palco, provocando gritos dos ansiosos fãs, certo eles, afinal foi uma espera duradoura.

De entrada eles mandaram “Daydreaming” e “Ful Stop”, músicas do disco mais recente “A Moon Shaped Pool” de 2016, fizeram o público dançar bastante, já que tem um apelo mais eletrônico.

A banda foi passando por quase toda a discografia, quase, porque deixaram o primeiro álbum “Pablo Honey” de fora. Nada que desanimasse os fãs, que cantaram muito em todas as faixas de “Ok Computer’’ de 1997, o disco mais aclamado, e responsável por levar a banda a um outro patamar.

Além da performance afiada dos músicos, é muito interessante observar como a banda trabalha com os telões, em nenhum momento reproduzo a imagem nítida dos músicos, os telões reproduzem cores, o all star preto e até o olho de Thom. Uma maneira muita peculiar de trabalhar com esse recurso, não sei se isso chega a atrapalhar o pessoal que assistiu mais de longe, mas que é criativo, é.

Terminaram num encore que rendeu grandes emoções com “Present Tense”, “Paranoid Android” e “Fake Plastic Trees”, após saírem do palco, o público ainda gritou bastante, esperando por “Creep”, mas não adiantou, foi mesmo o adeus.

A ausência de “Creep’’ não chega a ser uma surpresa, também seria injusto dizer que faltou uma música, o show foi muito bem feito e de longa duração, mais de 2 horas. Radiohead se mostrou maduro e profissional com mais uma ótima performance nessa turnê pela América do Sul.

 

SETLIST:

 

1 – Daydreaming

2- Ful Stop

3 – 15 Step

4 – Myxomatosis

5 – You and Whose Army?

6 – All I Need

7 – Pyramid Song

8 – Everything in Its Right Place

9 – Let Down Play Video Bloom

10 – The Numbers

11 – My Iron Lung

12 – The Gloaming

13 – No Surprises

14 – Weird Fishes/Arpeggi

15 – 2 + 2 = 5

16 – Idioteque

17 – Exit Music (for a Film)

18 – Nude

19 – Identikit

20 – There There

21 – Lotus Flower

22 – Bodysnatchers

23 – Present Tense

24 – Paranoid Android

25 – Fake Plastic Trees

 

 

Tagged with:
2
Matéria enviada por Lucas Amorim

Similar articles