São Paulo Trip com The Who + The Cult + Alter Bridge

Texto – Bruno Nascimento

Fotos – Ricardo Matsukawa

Mais de 40 mil fãs esperavam a meses por este dia desde o anúncio do festival São Paulo Trip. A quinta-feira que trouxe os britânicos The Cult e The Who, além dos americanos do Alter Bridge foi um dos dias com mais procura por ingressos.

Abrindo a primeira noite do festival, Alter Bridge formado por ex-membros do Creed Scott Phillips (bateria), Brian Marshall (baixo), Mark Tremonti (guitarra), além do talentoso vocalista Myles Kennedy, conhecido pela participação na banda solo do Slash.

Com o lançamento recente do quinto álbum, The Last Hero (2016) a banda chega mais madura e afasta de vez o indigesto rótulo “pós-grunge”. A plateia majoritariamente formada por fãs do rock clássico das décadas de 60/70/80 não acompanhou o ânimo do grupo, no entanto alguns fãs mais novos já estavam muito satisfeitos com a apresentação sólida passando por todos os discos da carreira.

Com o Allianz Parque devidamente aquecido, era vez de uma das bandas que conseguiu emplacar vários hits na década de 80 com “She Sells Sanctuary”, “Fire Woman” e “Love Removal Machine”. Não faltou nenhum desses Hits, o setlist dos caras foca nessa fase de grande sucesso, ainda que algumas canções do último disco ‘’Hidden City” se fizeram presentes.

 

Os Pilares da banda são o guitarrista Billy Duffy com sua guitarra cortante e o frontman Ian Astbury em melhor forma desde a última vinda da banda ao Brasil em 2011. Com sua característica voz ecoada, Ian compõe como um roqueiro da década de 80 mas canta como se estivesse em 1971 (as felizes influências de Jim Morrison, Mick Jagger ainda são muito presentes em sua performance vocal).

Apesar do excelente show o público parecia mesmo guardar energia para os veteranos do The Who. Por duas vezes o Astbury chamou atenção do público, como quem pedia mais energia, afinal era um autêntico show de rock. No final tudo deu certo e a sequência matadora “Sweet Soul Sister”; “She Sells Sanctuary”, “Fire Woman” e “Love Remooval Machine” estremeceu o estádio. Foi um show de muita pegada e coração envolvido.

Por fim, o mais importante, uma das únicas bandas históricas do rock que ainda não tinha o Brasil no currículo. O The Who mostrou sua grandeza com uma verdadeira celebração à nostalgia. A Dupla Daltrey e Pete Townshend, fizeram o que se esperavam, até mais. Os senhores aguentaram 2 horas de show, com direito aos famosos giros no microfone de Daltrey e a posição clássica de Pete com braço direito aberto numa espécie de pêndulo do rock que não parava de girar.

O Setlist foi glorioso I Can’t Explain, The Seeker, Who Are You, The Kids Are Alright, I Can See For Miles, e uma versão extendida de My Generation, Hits seguidos, com a fúria de uma banda punk mas com a técnica de uma das bandas definitivas do gênero. Por falar em técnica, os músicos que apoiam Daltrey/Townshend são extremamente competentes, Zak Starkey (baterista), filho do Beatle Ringo Starr, parece mais com Keith Moon do que com o próprio pai, o estilo de Zak evoca o clássico baterista do The Who.

The Rock merece uma atenção, não só pela performance virtuosa do guitarrista, e do todo o empenho perfeito na execução dessa faixa instrumental, mas as imagens que apareciam no telão desde os protestos na época da guerra no Vietnã, passando por vários períodos delicados na política internacional (guerra fria, queda da URSS, morte da princeda Diana, 11 de setembro até a questão recente dos refugiados na Europa) Foi uma aula de audiovisual, aquela música, mesmo sem palavras, queria dizer muita coisa.

Foi um show histórico, que não deve voltar ao Brasil. Sorte de quem viu.

 

SETLIST:

1-I Can’t Explain

2-The Seeker

3-Who Are You

4-The Kids Are Alright

5-I Can See for Miles

6-My Generation

7-Bargain

8-Behind Blue Eyes

9-Join Together

10-You Better You Bet

11-I’m One

12-The Rock

13-Love, Reign O’er Me

14-Eminence Front

15-Amazing Journey

16-Sparks

17-Pinball Wizard

18-See Me, Feel Me

19-Baba O’Riley

20-Won’t Get Fooled Again

21-5:15

22-Substitute

Tagged with: ,
2
Matéria enviada por Lucas Amorim

Similar articles