Roger Waters – Live Rio de Janeiro

O ex-integrante do Pink Floyd Roger Waters, apresentou o espetáculo “Us + Them” ao público carioca na noite desta última quarta-feira (24), no Maracanã, Depois de passar por São Paulo, Brasília, Salvador e Belo Horizonte, a turnê “Us + Them”, do cantor, compositor e músico, enfim chegou ao Rio de Janeiro.

Membro fundador do Pink Floyd e responsável direto por alguns dos maiores sucessos da banda inglesa e boa parte das canções que compõem os clássicos álbuns “The dark side of the moon”, de 1973, e “The wall”, de 1979, Waters retornou ao território carioca pouco mais de seis anos depois de ter apresentado o show “The wall” no Engenhão, e com um Maracanã lotado mais uma vez deu uma aula de música e produção.

Os portões do Maracanã se abrirão cedo, às 17h, e o início da apresentação previsto para 21h não atrasou muito, a chuva que caia forte um pouco antes da apresentação deu uma trégua, e ficou um pouco mais fraca antes do show deixando o público um pouco mais feliz, ansioso e menos molhado é claro, e para o espetáculo que durou mais de duas horas, a intensidade da chuva era essencial.

Falando um pouco do show, o mesmo seguiu a risca do que está sendo a turnê Brasileira, com um set de mais ou menos 22 canções – 18 do Pink Floyd e 4 da carreira solo de Waters, que muito bem encaixadas no repertório dão um ar ainda mais psicodélico a sua apresentação.

O repertório Floydiano é garantido sobretudo por obras primas dos álbuns classicos da Banda, com passagens por discos e músicas como “Meddle” (“One of these days”), “Wish you were here” (além da faixa-título, “Welcome to the machine”) e “Animals” (“Dogs” e “Pigs Three different ones)”, só coisa linda não é?…

Já os trabalhos exclusivos de Waters foram focados em seu álbum mais recente – “Is this the life we really want?”, lançado em 2017 com canções como “Déja vu”, “The last refugee”, “Picture that” e “Smell the roses”.

A turnê chegou ao Rio trazendo o rastro da famosa polêmica que está marcando todos os shows realizados nas outras cidades, durante as apresentações, que são as críticas ao candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, mas dessa vez com um plus, uma grande homenagem a Marielle Franco, com direito a sua família inteira no palco discursando pedindo justiça.

E no Rio, também não foi diferente como em todas as ocasiões, onde parte da plateia aplaudiu e parte vaiou a postura do artista que pouco se importava com a parte das vaias. Durante o show, Waters também tem projetado no telão principal mensagens provocativas, em clara referência ao candidato, momentos mais eufóricos para os manifestantes de ambos os lados.

Mas não era só de política que falava o telão, grandes paisagens, mensagens contra o racismo, pequenas animações, e muita tecnologia envolvia todos os presentes no Maracanã, que ficavam encantados e admirados de tanta perfeição nas imagens e efeitos passados durante todo o espetáculo.

 

Desde sua saída da banda, Roger Waters nunca parou de fazer boa música e shows bem construídos, e continua muito bem arrastando multidões por onde passa, e essa turnê onde lotou e lota vários estádios em diversas capitais brasileiras comprova isso.

Fica claro no show de Waters, que não é por causa da polêmica, não é por causa da promoção da mídia, e sim por causa de sua genialidade e de sua capacidade de fazer música com a cabeça e com o coração, que esse cara fez e continua fazendo tanto sucesso e sempre que tiver um show dele, e você puder ir, não pense duas vezes, pois a satisfação será garantida.

 

Tagged with:
2
Matéria enviada por Lucas Amorim

Similar articles