Ghostemane – Live Rio de Janeiro

0 Flares Filament.io 0 Flares ×

Este final de semana foi inusitado pois o Rio de Janeiro recebeu no Teatro Odisseia  um dos principais representantes do estilo Trapper o polemico  Ghostemane apresentando seu som sombrio com letras pesadas e uma base forte um e com espetáculo sensacional tanto visual quanto sonoro

Embora não seja tão popular no meio punk e hardcore, você provavelmente já deve ter ouvido falar deste cara através de alguma mídia independente. Ghostemane ganhou notoriedade na cena mundial com suas músicas sinistras abordando temas como ocultismo, depressão, niilismo e morte, além de unir de forma original diversos estilos musicais como trap, hip hip e metal, pode parecer loucura mas a formula da muito certo tá bom?

A banda possui alguns muitos álbuns full length, sete para ser mais preciso  e diversos singles lançados em conjunto com outros músicos populares na cena como Pouya e $uicideboy$, Ghostemane é hoje reconhecido por muitos como um dos principais compositores da nova geração, sendo frequentemente citado em canais da Billboard e Genius.

Por volta das 19hrs, a Lapa já estava tomada por um bom  público gigantesco e extremamente homogêneo, sim tinha gente de todas as tribos lá amigos, variando entre fãs trajados com camisetas do próprio Ghostemane, bandas de Metal, misturando-se com headbangers com  e veteranos do hardcore , uma fusão muito interessante e o melhor de tudo, na paz, sem brigas e sem preconceito.

As 20:00 em ponto ocorre um  anúncio por parte da organização, solicitando que os presentes não fotografassem ou filmassem a primeira música do show, e então  Eric e seus auxiliares subem ao palco. Após agradecimentos, o grupo iniciou o show com a música “Nihil”, emendando com “Flesh”, “Bonesaw”, ”D(R)own”, “Bonesaw” e “Trench coat” – esta, sendo dedicada à polícia, uma porrada verdadeira que fez a galera pular sem parar no Odisseia.

Seguindo, Eric iniciou um diálogo e afirmou que a próxima música era dedicada aos “metalheads e hardcore kids”, emendando a canção “Hake”. Ao longo do set, o grupo também apresentou algumas de suas principais músicas como “Caligula”, “Squeeze”, “HAKE/SLASH” e “Nails”, com a apresentação sendo acompanhada por efeitos visuais no telão da casa, alta interação do público e diversas encenações dos integrantes, chegando ao ponto de Eric destruir a guitarra no palco para delírio de todos.

Ao término do show, o cara  menciona que havia chegado a sua parte favorita da noite e iniciou a música “Andromeda”, solicitando uma invasão de stage dives no palco. Seguindo com o encerramento, o grupo pegou o público de surpresa ao apresentar “1000 rounds” (feita em colaboração com o rapper Pouya), já que essa música esteve ausente em suas últimas apresentações. Para concluir a primeira parte do set, o quarteto mandou “Mercury: Retrogade”.

Depois de alguns minutos de pausa com DJ Parvor comandando as pick-ups e sendo responsável por não deixar o público desaminar, Eric e os outros dois integrantes apareceram novamente ao palco. Após agradecer a recepção do público em sua primeira visita ao Brasil, Eric atendeu ao pedido dos fãs e novamente surpreendeu a todos, encerrando definitivamente o show com a música “Venom” – canção de rara execução ao vivo, tendo retornado ao setlist após a turnê do álbum “N/O/I/S/E”.

O show foi perfeito. A baixa iluminação da casa atrapalhou a experiência da audiência ? não sei pois isso faz parte do show. No entanto, em relação a performance do grupo, não há pontos negativos que merecem ser apontados. Ghostemane mostrou para o público brasileiro o porquê de ter uma apresentação tão renomada, realizando um show criativo, original e incessante. A apresentação mostrada aos fãs paulistas fez jus ao hype recebido desde o anúncio de sua vinda ao país.

Tagged with:
2
Matéria enviada por Lucas Amorim

Similar articles