Exodus – Quem Não Foi Perdeu um Grande Espetáculo

Após algumas polêmicas, protestos, mensagens e outras coisas mais, chegou o dia do Show do Exodus em São Paulo, como o Zetro havia falado ao Heavy World, mesmo sem Gary Holt eles ainda eram o Exodus e isso foi devidamente provado no palco do Carioca Club, um show pesado, rápido e matador que você confere nas linhas abaixo, com fotos de Aline Narducci.

Pra começar a noite, as meninas do Sinaya fizeram uma apresentação honesta que arrancou aplausos da galera, o som estava um pouco prejudicado, mas deu pra perceber que as garotas gostam de música pesada e bem trabalhada, pois o som da banda não é aquela  mesmice de uma nota apenas, é cadenciado, é pesado, é rápido, é bem feito, ou seja é trabalhado.

Sinaya

O Show foi curto, porém deu tempo para banda divulgar aquilo que está disposta a fazer, música pesada e sem preconceito, assim como o Nervosa conseguiu, essas meninas também tem futuro, e logo  vão lançar o seu novo trabalho segundo a vocalista Mylena Monaco e um som dele me interessou muito “Buried by Terror“, com bases muito bacanas, parabéns ao Sinaya, espero resenhar o CD dessas garotas em breve.

Na sequência, pausa para cervejinha, bate papo, a casa encheu ainda mais e pronto ! Já era a hora do tira teima, ia ser bom ou não ? E logo na primeira canção  da noite Black 13  já me convenci que seria demais !…. Amigos eu sei que o Gary Holt faz falta, mas cacete nega que aquele começo com Zetro entrando e  destruindo com aquele vocal insano já não deu vontade de sair batendo em tudo ? No segundo som Blood In, Blood Out, foi a confirmação que aquela noite seria o Pandemônio, o público fazia um karaokê no refrão a pista estava fervendo e só tinha rolado 2 sons do novo álbum.

Exodus 1

E o que já estava bom ficou ainda melhor em And Then There Were None,  com aquelas bases, e a galera ajudando no OOOOO, quer coisa melhor ? Pois veio com Deranged, e lá na pista a coisa ficou estreita, e o Zetro ainda dava aquela motivação pro pessoal agitar ainda mais, aliás que fase esta o Zetro, o cara está com o vocal afiado,  com energia de sobra e não deixa a desejar em nenhum minuto, sempre simpático, fazia questão de falar em todo momento o quanto gostava do Brasil e de seus fãs, e era ovacionado por todos.

Continuando o set, mais uma do álbum novo a ótima Body Harvest, som rápido que deu uma canseira na pista, mas não dava tempo de descansar não, pois sem muitas delongas os caras emendam nada mais, nada menos que Metal Command, que foi recebida com muita empolgação pela galera, e nessa hora percebíamos o quanto o Kragen Lum é competente, ele não deixa a desejar não, mandou muito bem e não deu pano pra manga não, fez o seu papel perfeitamente, e sem pausa na apresentação os caras já partem para Piranha, aí foi maldade né ?….A pista virou um campo de batalha para agitar esse maravilhosos clássico e é aqui que entro para dizer que na minha opinião o cara mais insubistituível do Exodus não é o Gary e sim Tom Huntin.

 

Exodus 2

Meus amigos esse cara é um polvo, o estilo de tocar de Tom é inigualável, ele é a alma da banda ao vivo,  a  sua pegada é extremamente marcante e prova o porque na minha opinião é o membro do Exodus que realmente daria uma diferença no som ao vivo. Mas sem delongas a banda queria ver o circo pegar fogo anunciado mais um clássico A Lesson in Violence, som que deixou todos na pista ainda mais extasiados, mas o show ainda poderia ficar melhor, e era a hora dos caras lembrarem algumas do Tempo of the Damned, e as escolhidas foram e  Blacklist  e Impaler, e com isso o show estava quase no fim e a banda deixa o palco.

Mas logo voltam para mandar o som mais esperado da noite por muitos, Bonded by Blood, que foi cantada em uníssono por todos os presentes, seguida da poderosa The Toxic Waltz, e aquela pegada sensacional que esse som tem ao vivo, e para finalizar a noite Strike of the Beast !….. Uma hora e dez minutos de pura violência, um show sensacional, não ficou devendo para a apresentação de 2014, e se você não foi por causa de um integrante, saiba que o Zetro estava certo, mesmo sem o Gary eles ainda eram o Exodus e provaram isso da forma mais honesta possível no palco arrancando aplausos da galera.

Exodus 3

Agradecimentos a Liberation, que não arregou não ! Confiou e insistiu na apresentação, mesmo com muitas pessoas secando e dizendo que não seria bom, a produtora deu a volta por cima e fez acontecer um grande evento, mostrando que possui atitude seriedade e  que não tem medo de arriscar, e por isso foi um sucesso !!!

 

 

 

Confira abaixo a galeria completa desse maravilhoso espetáculo !

 

Exodus - Live Carioca Club - 24-01-2016-48

 

 

2
Matéria enviada por Lucas Amorim

Similar articles