Artillery – Uma Aula de Thrash Metal

Uma das bandas mais importantes do Thrash Metal mundial desembarcou no Rio de Janeiro na noite do última terça feira 10/08/2016, estamos falando nada mais nada menos que Artillery o maior ícone do Thrash Metal Dinamarquês, banda muito consagrada pela sua história e importância na música pesada. A noite ainda teve a participação de mais dois nomes do Metal Nacional, os caras do Sangre além dos veteranos cariocas do Savant e você confere tudo aqui no Heavy World, nas linhas abaixo.

Savant 1

Savant

Por falar em Savant a banda de Thrash Metal Carioca foi a primeira a ingressar no palco, os caras, velhos conhecidos no Cenário Underground, entraram no palco com muita agressividade, com sua música rápida e cativante, escute canções como No Hope ou Colonizer e tente não balançar a cabeça, a banda é muito boa, é uma pena que não se impulsionaram mais, pois deveriam ter um lugar muito maior no Cenário Nacional

Com muita simpatia a banda formada por Antonio “Grandson’s Butcher” Vargas, Milli Redberyl, Zé Renato Trovão e Allan Argolo conseguiu mostrar seu som rápido e bem trabalhado e deu uma canja do que será seu novo trabalho, um disco conceitual no tema serial killer e nada mais pratico do que tocarem a faixa Serial Killer para a galera conhecer e aprovar.

Embora o público fosse modesto, a banda deu tudo de si e está de parabéns pela apresentação feita, vamos aguardar o lançamento do próximo disco dos caras e esperar a divulgação desse que deve ser mais um belo trabalho do metal nacional, segundo o vocalista Grandson’s Butcher” Vargas, o disco já está pronto, então logo logo vamos ter mais noticias do Savant por aí.

 

Sangre

Sangre

Seguindo com a apresentação era a hora de mais uma banda nacional estremecer o Social Lapa, e dessa vez era uma banda com sangue novo os caras do Sangre, banda oriunda do Interior do Estado de São Paulo, que tem um som forte, agressivo muito bem tocado ao vivo que deu uma agitada na galera presente.

A banda formada por Ian Arcas, Piu Loko e Renato, mandaram muito bem ao vivo, seu Thrash/Death  não os subestime por ser um trio nos instrumentos, pois os caras fazem barulho  e estão prestes a lançar seu primeiro álbum Just Pray, e a prévia que tivemos no palco do Social Lapa foi a melhor possível, pois a banda está muito afiada e com sangue nos olhos.

Destaque da banda vai principalmente para os agressivos vocais de Ian, além da ignorância ao vivo do baterista Renato, que toca muito forte dando uma pegada ainda mais pesada na banda, os caras conseguiram agitar a galera e ainda mandaram uns covers de Sepultura para deixar a noite ainda mais animada, mais um ótimo espetáculo, que prova que a cena nacional ainda vai receber muito material bom esse ano.

artillery 1

Artillery

E para finalizar a noite, nada mais nada mesmo que os simpáticos Dinamarqueses do Artillery, o público modesto não interferiu no animo da banda que já começou a noite com In Defiance of Conformity, do ultimo trabalho da banda Penalty by Perception, um som extremamente rápido com aqueles vocais mais melódicos do novo álbum que ficaram sensacionais na minha opinião, seguida da ótima Legions do homônimo álbum de 2013, com o ótimo Michael Bastholm Dahl que deu outra cara a banda.

O público como já dito era modesto, porém muito entusiasmado, grudaram na frente do pequeno palco e cantavam junto com a banda que agitava muito também,  o carismático baixista Peter Thorslund era só sorrisos para a galera que lá em baixo curtia muito todo aquele espetáculo, e no meio dessa festa os caras mandam By Inheritance, um dos meus sons prediletos, pois esse álbum é sensacional, música bem trabalhada, bem cadenciada e com bases animais.

O Artillery ao vivo é muito técnico com uma pegada bem diferente de outras bandas de Thrash Metal, eles tem um estilo próprio, as vezes beira o progressivo, porém quando você menos imagina, volta aquela porrada no seu ouvido, mérito para o pequeno Morten Stützer, aniversariante do dia que ganhou palmas da galera, o rapaz pode ser pequeno no tamanho, mas na banda é um gigante das cordas, sempre seguro e com paletadas afiadas.

artillery 2

O Show prossegue com The Challenge, uma porrada das antigas, lá dos tempos do Terror Squad, emendada com mais uma do novo álbum Live by the Scythe, aliás como esse novo álbum está sensacional, está moderno, mas sem perder aquelas cavalgadas que o Artillery tem, sem perder o ar Old School que sempre consagrou a banda.

Os caras agradeceram muito ao público presente falaram que era uma honra estar no Rio de Janeiro, falaram sobre a demora de tocar aqui, brincaram com a galera e mandaram clássicos, clássicos como na minha opinião o melhor som da noite The Eternal War, do eterno e na minha opinião um dos melhores álbuns de Thrash Metal de todos os tempo Fear of Tomorrow, som magnifico que fez a galera lá em baixo se descabelar.

Mas infelizmente era hora de se despedir e 10.000 Devils e Khomaniac, põe fim a essa bela apresentação, do Artillery, a galera ovaciona os caras, aplaudem, gritam, e recebem um grande sorriso dos integrantes que saem do palco ao pedido de mais uma canção  e o pedido funciona !!….Pois a banda  voltam agradece muito à platéia e mandam  mais três músicas para o delírio dos presentes.

Artillery 4

E não foi qualquer Bis não meus amigos, eles mandam The Almighty com aquele ar tosco e destruidor seguida por Terror Squad e finalizando a noite com chave de ouro com mais uma do Fear of Tomorrow  Deeds of Darkness, uma apresentação perfeita, que com toda certeza vai ficar na história e na memória dos presentes, parabéns para à Agência No Class, que trouxe essa lenda ao Rio e para quem não foi, meus pêsames pois perdeu um dos melhores shows do ano com toda certeza.

 

Tagged with:
2
Matéria enviada por Lucas Amorim

Similar articles