KADAVAR: “Sempre vão existir pessoas que querem a mesma coisa, mas é essencial ainda surpreender o público e a nós com a nossa música.

Por Bruno Nascimento

Essa semana, o Brasil receberá o grupo alemão Kadavar, em sua segunda turnê pelo país. Tivemos a oportunidade de conversar com o baterista do trio alemão, Cristoph Bartelt, popularmente conhecido como “Tiger”. Nessa conversa, o músico conta um pouco sobre o processo de gravação do último disco, “Rough Times”, suas referências artísticas, além das impressões que teve do público brasileiro durante a primeira vez que tocaram por aqui.

Confira abaixo nosso papo com o baterista:

 

Heavy World: Como foi o processo de composição do disco “Rough Times”? Vocês fizeram alguma diferente em relação aos álbuns anteriores?

Tiger: Foi muito rápido, em torno de 2 meses incluindo todo o processo de estúdio. Nós começamos o ano passado construindo nosso novo estúdio, e assim que ficamos livres para gravar lá, começamos a escrever as músicas. O Título e a capa do disco vieram primeiro, depois as músicas e letras, mas como nossa agenda estava muito apertada, algumas músicas foram finalizadas no último minuto antes de serem gravadas. Comparando com “Berlin’’, ficamos um pouco menos tempo tocando juntos no estúdio, conseguimos trabalhar um pouco mais de maneira individual.

 

HW: Achei “Rough Times” um disco mais pesado em relação aos trabalhos anteriores. Ouço mais influências de doom dessa vez. Isso foi uma progressão natural ou vocês trabalharam para que o som refletisse o tema mais sombrio das letras?

Tiger: Nós buscávamos mais diversidade dessa vez, tanto no som quanto nas composições, também procurávamos uma maneira de transcrever esse peso que nos caracteriza no palco. Há uma expressiva negatividade no álbum, melancolia, momentos mais furiosos, criando uma atmosfera mais complexa. Acho que foi preciso deixar fluir nossas diferentes inspirações artísticas, experimentar mais, para conseguir uma sonoridade mais ampla e coerente.

 

HW: Como os fãs estão reagindo a esse novo material?

Tiger: Desde que o disco foi lançado, nós vínhamos tocando 4 ou 5 dessas novas músicas, elas ainda estão no nosso setlist. Trouxeram mais força aos nossos shows, acredito que o público sente o mesmo. O álbum foi bem recebido, e os esforços que fizemos para desenvolver e evoluir nosso som foram apreciados. Sempre vão existir pessoas que querem a mesma coisa, mas é essencial para nós, ainda surpreender o público e a nós com a nossa música.

 

HW: Eu gosto muito da vibe anos setenta que tem o clipe de “Die Baby Die”. Quem dirigiu e como foi filmado?

Tiger: Quem dirigiu o vídeo foi Milan Pfützenreuter, da banda Rötor. Levou um dia para ser filmado, no Felsenkeller, um teatro antigo, em Leipzig, Alemanha. Nós também gostamos muito de gravar nossos próprios vídeos, mas foi legal trabalhar com profissionais no assunto, assim nós conseguimos nos concentrar mais na nossa performance. Fico feliz que você tenha gostado!

 

HW: Vocês se consideram uma banda retro?

Tiger: Nós somos uma banda de rock, tocando o rock atual de 2018. Há tantas bandas das décadas de 60 e 70 que nós amamos, apesar do fato que foram as épocas mais cativante do rock, na minha audaciosa opinião, claro, não são as únicas influências musicais e artísticas que inspiram a banda.

 

HW: Quando vocês estão no processo de composição, vocês têm em mente as performances ao vivo?

Tiger: Geralmente nós pensamos nisso enquanto estamos compondo. Nos imaginando tocando um riff no palco e tentando sentir se ele funcionaria ou não. Muitas vezes esse é um fator decisivo em nosso processo, mas não é sistemático, algumas músicas do último álbum tem uma abordagem um pouco diferente.

 

HW: Vocês já tocaram no Brasil uma vez. O que você acha sobre excursionar em nosso país e nossa cultura?

Tigerr: Nossa primeira vez no Brasil foi há mais de 2 anos atrás e nós ficamos impressionados. As pessoas estavam gritando, dançando, as vezes cantando mais alto do que estávamos tocando! Nós sentimos que isso veio do coração, é um aspecto da cultura brasileira que nós realmente gostamos, essa maneira única de curtir o momento.

 

HW: Você ouve alguma banda brasileira?

Tiger: Modulo 1000, minha banda brasileira favorita de todos os tempos!

 

HW: Gostaríamos imensamente de agradecer por nos conceder essa entrevista! Gostaria de dizer mais alguma coisa para nossos leitores e deus fãs no Brasil?

Tiger: Nós que agradecemos. Estamos muito ansiosos para poder tocar no Brasil novamente, venham em algum dos nossos shows para festejar conosco. Vocês não irão se arrepender disso.

 

 

 

Confira as informações dos shows logo abaixo:

 

27 de fevereiro – Kadavar em Santa Maria

Evento no facebook: https://www.facebook.com/events/553175921681105

Data: 27 de março de 2017

Horário: a partir das 20 horas

Local: Sonho de Festa

Endereço: rua Francisco Manuel

Bandas de abertura: Quarto Ácido, Moonmath e Peixes Voadores

Ingresso: R$ 60 (segundo lote promocional) – https://polvotickets.com.br/e/kadavar-em-santa-maria-rs

1º de março – Kadavar em Belo Horizonte
Evento no facebook: https://www.facebook.com/events/102928003815976/
Data: 1º de março de 2018

Horário: 21 horas

Local: Studio Bar

Endereço: Rua Guajajaras, 842, Centro

Bandas de abertura: Duna, Brisa e Chama e Grindhouse

Ingresso: R$ 40, primeiro lote promocional (ESGOTADO); R$ 50, segundo lote promocional – https://www.sympla.com.br/kadavar-em-belo-horizonte—1-de-marco-no-studio-bar__214098

2 de março – Kadavar em Florianópolis (SC)

Evento no facebook: https://www.facebook.com/events/494236587614186/

Data: 2 de março de 2018

Horário: 23 horas

Local: Célula Showcase

Endereço: Rodovia João Paulo, 75

Banda de abertura: Monte Resina

Ingresso: R$ 50, primeiro lote – https://www.sympla.com.br/kadavar–florianopolis-sc–02032018__213341

3 de março – Kadavar em São Paulo (SP)

Evento no facebook: https://www.facebook.com/events/188512061711938/

Data: 3 de março de 2018

Horário: 18 horas (abertura da casa)

Local: Fabrique Club

Endereço: Rua Barra Funda, 1071

Bandas de abertura: Disaster Cities e Grindhouse

Ingresso: R$ 70, primeiro lote promocional (ESGOTADO); R$ 90, segundo lote promocional – https://www.sympla.com.br/kadavar-em-sao-paulo—3-de-marco-no-fabrique-club__214097. Na hora, R$ 110 (meia) e R$ 220 (inteira).

Venda física nos seguintes locais:

Yoga Para Todos (Rua Doutor Cândido Espinheira, 156 – Perdizes). Tel: (11) 94314-7955

Volcom (Rua Augusta, 2490, apenas em dinheiro). Tel: (11) 3082-0213

Loja 255 na Galeria do Rock. Tel: (11) 3361-6951

Ratus Skate Shop (Rua Doná Elisa Fláquer, 286 – Centro, Santo André). Tel: (11) 4990-5163

4 de março – Kadavar no Rio de Janeiro (RJ)

Evento no facebook: https://www.facebook.com/events/381490485595532/

Data: 4 de março de 2018

Horário: 17 horas (abertura da casa)

Local: Cais da Imperatriz

Endereço: Rua Sacadura Cabral , 145, Saúde

Bandas de abertura: Galactic Gulag e Anjo Gabriel

Ingresso: R$ 60, primeiro lote promocional – https://www.sympla.com.br/hocus-pocus-festival-2018—kadavar-anjo-gabriel-e-galactic-gulag-4-de-marco-no-cais-da-imperatiz__237714. Na hora, R$ 80 (meia entrada solidária) e R$ 160 (inteira).

Venda física nos seguintes locais:

PlayGrowler (R. Teixeira de Melo, 47 – Ipanema, ao lado da estação General Osório). Tel: 3449-8015

Rocksession (Rua Conde de Bonfim, 80, loja 3 – subsolo – Tijuca). Tel: 3168-4934

Tropicália Discos (Praça Olavo Bilac, 28 – Sala 207 – Centro). Tel: 2224-9215

Hocus Pocus DNA (Rua 19 de fevereiro, 186 – Botafogo). Tel 3452-3377

Tagged with:
2
Matéria enviada por Lucas Amorim

Similar articles