INTERPOL ANUNCIA NOVO ÁLBUM MARAUDER

 

“Marauder é uma faceta de mim mesmo. Esse é o cara que fode amizades e faz coisas loucas. Ele me ensinou muito, mas é representativo de uma pessoa que é melhor deixar na música. De certa forma, este álbum é como dar a ele um nome e colocá-lo na cama ”- Paul Banks

Mas antes de encerrar a noite, Marauder tem algumas histórias para contar. Puxe uma cadeira, porque você vai querer ouvir isso ..
.

Meses de especulação chegam ao fim hoje, quando os detalhes do novo álbum da Interpolfinalmente podem ser confirmados: uma das bandas mais aclamadas crítica e comercialmente da última década lançará seu sexto álbum, Marauder, 24 de agosto na Matador Records.

O Interpol revelou todos os detalhes (Temas! Making-of! Arte do álbum! Produtor! Visuais!) para uma convergência de seus fãs e meios de comunicação mais fervorosos,
no General Prim30 na Cidade do México em uma coletiva. Assista

O primeiro single de Marauder, “The Rover, será apresentado ao vivo no The Late Show with Stephen Colbert amanhã, 8 de junho.

O Interpol também confirmou uma série inicial de shows da sua turnê mundial, além de aparições previamente anunciadas no BST Hyde Park, em Londres, com o The Cure, no TRNSMT Festival, de Glasgow, no House of Vans, em Nova York, e no Riot Fest, em Chicago. Os fãs que encomendarem Marauder diretamente da loja do Interpol receberão primeiro acesso à pré-venda de ingressos para os novos shows, que incluem o Royal Albert Hall, o Madison Square Garden e o Hollywood Bowl.

Finalmente aconteceu; Alguém chamou a polícia para o Interpol.

O longo braço da lei alcançou Daniel Kessler, Paul Banks e Sam Fogarino em 2017, enquanto eles trabalhavam em um novo álbum dentro do espaço de ensaio do Yeah Yeah Yeahs em Manhattan. Mesmo em sua infância, Marauder estava se preparando para ser uma fera; uma sessão de treinos precoce foi tão vigorosa que resultou em Sam batendo na bateria com tanta força que ele arrebentou seu
bumbo.

Por fim, o trio tocava com tanta força e volume que um vizinho chamava os meninos de azul para os meninos de preto, forçando-os a sair do espaço de prática. “Nós arruinamos isso para todos”, reflete Daniel. “Parece que você está escolhendo a banda de rock errada”, acrescenta Sam com uma risada. “Não é como se fossemos o Mastodon. Quero dizer, em certos círculos, somos considerados fracos!”

Se esse foi alguma vez o caso, o Interpol capturado em seu sexto álbum não é nada disso. Enquanto muitos fãs dedicaram tempo nos últimos 18 meses para ler sobre o papel vital da banda no renascimento do rock no início do século XXI ou aproveitar a glória de sua imensamente bem-sucedida turnê de 15 anos de aniversário celebrando a estréia seminal de 2002, Turn On the Bright Lights, o trio tem silenciosamente (desculpe, EM VOLUME ALTO) trabalhado para garantir que eles não sejam apenas um relógio cultural para os historiadores da música estudarem.

O resultado é Marauder: um álbum que balança tão bem quanto seduz, que tanto bate quanto embala, e que agride tanto quanto faz meditar.

Eles tiveram alguma ajuda ao longo do caminho. Pela primeira vez desde 2007, em Our Love to Admire, o Interpol se abriu para a entrada de um produtor. Por períodos de duas semanas entre dezembro de 2017 e abril de 2018, eles viajaram para o estado de Nova York para trabalhar com Dave Fridmann – famoso por gravar com Mercury Rev, Flaming Lips, MGMT, Spoon, Mogwai e muitos outros.

Os nova-iorquinos chegaram ao seu Tarbox Studios remoto e frequentemente coberto de neve, com a maior parte de Marauder ensaiado e treinado. Fridmann se certificou de que seu trabalho meticuloso na elaboração de um conjunto viril e visceral de músicas não fosse achatado durante a gravação. Foi sua sugestão para pular o Pro Tools e gravar diretamente em fitas de duas polegadas. É uma decisão que permite que um Interpol mais enxuto e mais musculoso se adapte ao longo do álbum.

No período que antecedeu a escrita e gravação, Sam se viu imerso em bateristas de soul, como Al Jackson Jr (baterista de Otis Redding) e os produtores de funk dos anos 80, Jimmy Jam e Terry Lewis. “Como eu posso fazer essa parada balançar?”, foi a pergunta que Sam repetidamente fez a si mesmo, e a resposta está no rápido galope de abertura “If You Really Love Nothing,”, o belo pular-e-saltar de “Stay in Touch” e swing R&B do encerramento “It Probably Matters”. O Interpol sempre foi um dos pioneiros na criação de um sentimento, mas Marauder é onde sentir é tão crucial quanto.

Ajudando a alcançar isso, esta o baixista de aprendizado rápido da banda. “No El Pintor, estávamos aproveitando a novidade de Paul tocando baixo e aproveitando o bom trabalho que ele estava fazendo”, diz Sam, referindo-se ao álbum de 2014 gravado sem o baixista original Carlos Dengler. “Mas desta vez, foi um caso de ‘você é o baixista’. Acho que agora ele se sentia à vontade para explorar. Ele não está apenas chegando para salvar o dia, ele está se aplicando e encontrando sua voz como baixista.”

Paul pode ter saído das sombras como baixista, mas ele está pisando em uma luz ainda mais brilhante como compositor. Durante os álbuns anteriores do Interpol, o cantor manteve-se amplamente fora de seu próprio trabalho, preferindo preencher suas letras com pensamentos, personagens e observações distantes, muitas vezes expressos em abstrato. Mas mais de 20 anos depois de se formar na NYU, o vocalista está finalmente se permitindo desempenhar um papel em suas próprias histórias.

“Esse disco é onde eu sinto que tocar em coisas reais que aconteceram comigo são excitantes e evocativas para escrever sobre”, explica ele. “Eu acho que no passado eu sempre senti que a autobiografia era uma coisa pequena demais para eu referenciar. Sinto que agora posso romantizar partes da minha vida.”

É uma atitude que também se reflete na capa do álbum; uma foto do Procurador Geral Elliot Richardson, que em 1973, renunciou dramaticamente após recusar as ordens do Presidente Nixon de demitir o promotor especial Archibald Cox, que então liderava uma investigação sobre o crescente escândalo Watergate. Richardson corta uma figura solitária e isolada, nua para um exame minucioso em um quarto de aparência artificial. “Muito de ser responsável tem a ver com ser honesto”, diz Paul, referindo-se tanto às suas letras quanto à capa. Um senso de re-avaliação é parte inextricável do álbum como um todo.

Como a maioria, Paul tem sido muitas pessoas diferentes ao longo de sua vida, e sombras delas percorrem todo o álbum. Quer seja o narrador excessivamente curioso de “Now You See Me at Work, Dear”, a alma arrependida que olha para um relacionamento em “Flight of Fancy”, ou o empolgante ímã para problemas do coração de ‘The Rover’.” Há fascinantes traços de uma pessoa real – passado, presente e futuro – entrelaçados em muitas das músicas.

Mas é em “Stay in Touch” que o personagem principal chega mais perto de se tornar carne e sangue. “Marauder chained of no real code/Marauder breaks bonds/Marauder stays long/Plays with the real face on,”, canta Paul. Você pode quase sentir, cheirar e provar o perigo associado a alguém tão teimoso e auto-indulgente como ele. Mas você quer estar perto disso tudo da mesma maneira.


Marauder Tracklisting:
1. If You Really Love Nothing
2. The Rover
3. Complications
4. Flight of Fancy
5. Stay in Touch
6. Interlude 1
7. Mountain Child
8. NYSMAW
9. Surveillance
10. Number 10
11. Party’s Over
12. Interlude 2
13. It Probably Matters
Pré-venda: https://store.interpolnyc.com/

INTERPOL
www.instagram.com/interpol
www.facebook.com/interpol
www.twitter.com/Interpol
https://open.spotify.com/artist/3WaJSfKnzc65VDgmj2zU8B
Sign up to the mailing list: http://interpolnyc.com

Tagged with:
2
Matéria enviada por Lucas Amorim

Similar articles